A Câmara Municipal de Évora aprovou diferentes projetos de requalificação de edifícios da cidade, cuja intervenção permitirá criar novos espaços funcionais ao serviço da população, ao mesmo tempo que são reabilitados ou renovados edifícios de importante valor histórico e simbólico, bem como o espaço envolvente. Estes projetos acompanharam a aprovação do novo regulamento municipal para o funcionamento do programa de melhoramento das condições de habitabilidade.

Foi aprovado por unanimidade o projeto de Regulamento Municipal para o Funcionamento do Programa de Melhoramento das Condições de Habitabilidade. Este documento estabelece os termos e condições de acesso aos apoios destinados à execução de obras de melhoramento das condições de habitabilidade, nos fogos onde residem os munícipes com menores rendimentos. Os apoios a conceder pela câmara visam melhorar as habitações em termos de utilização e conservação, garantindo condições adequadas de segurança, salubridade e acessibilidade.  

Aprovação por unanimidade mereceu igualmente a Reabilitação Física e Funcional do Teatro Garcia de Resende/1.ª Fase. Trata-se da intervenção no estacionamento do teatro, prevista no Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano de Évora, com reorganização do espaço. Terá 75 lugares de estacionamento (incluindo para cidadãos com mobilidade condicionada), sendo o orçamento previsto de 318 mil euros (+IVA).

O projeto de Recuperação do Edifício da Ex-Rodoviária foi aprovado por unanimidade. A câmara pretende instalar neste edifício os serviços municipais com atendimento público, nomeadamente o Balcão Único, entre outros serviços. O custo estimado da intervenção ultrapassa o valor de 1,4 milhões de euros (+IVA).

A Reabilitação do Salão Central Eborense (anteprojeto) obteve aprovação unânime. A proposta de renovação e adaptação do atual edifício a novas necessidades funcionais visa criar espaços de grande versatilidade, aptos à realização de espetáculos. Esta é uma medida prevista no Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano de Évora, cujo custo se estima em próximo dos 2,5 milhões euros (+IVA).

Foi ainda aprovado o projeto de adaptação do Palácio de D. Manuel.