Património cultural em risco de ser privatizado. PCP e sociedade civil denunciam mercadorização do património.

83199 1

Forte de Peniche

 

Divulgado publicamente pelo Governo entre agosto e setembro deste ano, o projeto «Revive» visa a valorização de monumentos históricos, através da concessão a privados, por um período entre 30 e 50 anos, para o desenvolvimento de unidades hoteleiras e turísticas. A mercadorização do património foi de imediato contestada pelo PCP, que exige o lançamento de um «Programa Nacional de Emergência para o Património Cultural».

O símbolo da contestação da sociedade civil foi a Fortaleza de Peniche, conhecida prisão utilizada pelo aparelho repressivo do regime fascista, por onde passaram cerca de 2 mil presos políticos até ao 25 de abril. Foi lançada uma petição que exige que a Fortaleza de Peniche se mantenha como património nacional e saia da lista de monumentos a concessionar a privados.

Da lista de primeiros subscritores constam os nomes de Catalina Pestana, Domingues Abrantes, José Barata Moura ou Pilar del Río, entre outros. Em menos de 5 dias, mais de 5 mil cidadãos subscreveram a petição «Forte de Peniche – Defesa da memória, resistência e luta». Reuniram-se em tempo record as assinaturas necessárias para levar a petição à Assembleia da República, tendo sido já entregue. Está previsto para o próximo dia 29, pelas 14h30, um encontro convívio de ex-presos políticos, familiares e amigos do Forte de Peniche.

Um pouco por todo o país, de Norte a Sul, a lista inclui ainda monumentos como o Convento de São Paulo (Elvas), os Castelos de Vila Nova de Cerveira e de Portalegre, os Mosteiros de São Salvador de Travanca (Amarante), de Arouca, de Santa Clara-a-Nova (Coimbra), os Pavilhões do Parque D. Carlos (Caldas da Rainha), o Paço Real de Caxias, o Forte do Guincho (Cascais) e a Quinta do Paço de Valverde (Évora).

A iniciativa do Governo irá incluir também uma linha de financiamento, com condições especiais, para apoiar os projetos para os espaços concessionados que pode ir até aos 150 milhões de euros.