A Câmara Municipal de Setúbal aprovou no dia 4 de abril, em reunião pública, uma moção em que manifesta indignação com a exclusão das companhias de teatro do município do financiamento estatal concedido no âmbito do concurso promovido pela Direção-Geral das Artes.

Foi com «com enorme inconformismo» que o Município de Setúbal reagiu aos resultados do concurso do Programa de Apoio Sustentado 2018-2020, promovido pela DGArtes. A autarquia sublinha que as companhias de teatro cumprem um «importante papel na criação individual e coletiva», na medida em que que «oferecem bens culturais essenciais a uma vivência mais rica e estimulante» e «daí ser fundamental os apoios que recebem do Estado».

A Câmara Municipal de Setúbal recorda a precariedade em que vivem estas estruturas, em particular os atores, que «todos os dias, batalham pela sobrevivência e que tantas vezes se transcendem ao fazerem tanto com o pouco que recebem».

A autarquia manifesta solidariedade com todas as estruturas que ficaram excluídas deste apoio e expressa «total discordância pela forma como o Governo do Partido Socialista tratou este processo de apoio às artes e a cultura em Portugal, submetendo este setor a cortes de financiamento inaceitáveis».

A Câmara Municipal de Setúbal compromete-se a fazer tudo o que ainda for possível para reverter o que considera ser um «grave atentado ao teatro e cultura de Setúbal». Neste sentido, já reuniu com as estruturas afetadas pela falta de financiamento e requereu uma reunião urgente com o ministro da Cultura.